Professoras do Departamento de História lançam livros no próximo sábado (19)

            No próximo sábado, dia 19, as professoras Carla Mary Oliveira, Cláudia Engler Cury e Serioja Mariano, lançam, respectivamente, seus livros “Saudades D’Além-Mar: A revista Lusitania e a imigração portuguesa (1929-1934)”, “Abrindo o Baú de Memórias: Políticas Culturais no Brasil – subsídios para a construção da realidade – (1930 – 1990)”, e “Gente Opulenta e de Boa Linhagem: família, política, e relações de poder na Paraíba (1817 – 1824)”, no Café Galeria Louro e Canela. O lançamento, aberto ao público e programado para as 19h, é uma parceria das autoras com a Editora Universitária, o Departamento de História e o Programa de Pós-Graduação em História da UFPB.

            As obras são teses de doutorado que se tornaram livros com a ajuda do projeto Coleções Humanidades, do CCHLA, que divulga pesquisas e outras produções inéditas de professores, alunos e funcionários do centro.

         “Saudades D’Além-Mar”, da professora Carla Mary, analisa a revista Lusitania – periódico feito para imigrantes de classe média – e trabalha a construção do conceito da identidade do imigrante português. Ela expõe: “Meu bisavô é imigrante português e tem alguns exemplares da revista em casa e eu sempre quis fazer um trabalho sobre ela”.

          O livro da professora Cláudia Cury, “Abrindo o Baú de Memórias”, analisa, em diversos momentos da história do Brasil, entre 1930 e 1990, políticas e manifestações culturais. A professora também trabalha a construção de um conceito, o da brasilidade. “Em momentos em que as políticas de cultura tiveram maior corpo, você tem a tentativas de construção de um tipo de brasilidade”, afirma.

              A professora Serioja explica que suas pesquisas para “Gente Opulenta”, que trata do papel da Paraíba nos movimentos políticos da independência, começaram quando ela percebeu a ausência desse tema nos livros. “Sempre que se lia a dita historiografia tradicional, via-se que a Paraíba não participou desse processo de independência”, afirma. Quando se pesquisa nos arquivos nacionais, entretanto, a professora Serioja conta que se encontra “uma farta documentação que relata as teias de relações de poder da elite paraibana no processo de independência”.

Fonte: Carla Mary Oliveira, Cláudia Engler Cury e Serioja Mariano (Departamento de História da UFPB).

Setor de Comunicação do CCHLA – Estagiária: Raíza Pacheco