CICLO DE FILMES E DEBATES SOBRE CINEMA FRANCÓFONO DESTACA QUESTÕES RACIAIS

Evento discute experiência negra a partir de obras dos cineastas Agnès Varda e Jean Rouch.

As inscrições são gratuitas e abertas para o público em geral.

Em continuidade ao ciclo de exibições do projeto de extensão “Cinema francófono: estética, poder e relações interculturais”, a sessão do dia 28 de maio (segunda-feira), às 16h, no Cine Aruanda (CCTA/UFPB) apresenta os filmes “Panteras Negras” (Black Panthers, França, 1968) da diretora belga radicada na França, Agnès Varda e “Eu, um negro” (Moi, um noir, França, 1958) do diretor Jean Rouch, considerado o pai da etnoficção. Contribuem para o debate dos temas abordados pelas obras a cineasta paraibana e ativista Carine Fiúza, o historiador africanista Elio Chaves Flores (NEABI e PPGH/UFPB) e o crítico, curador, pesquisador e professor Heitor Augusto (SP), o debate será mediado por Gabriele Lucena, estudante de Ciências Sociais da UFPB.

Lançado no dia 07 de maio, o projeto vem viabilizando sessões de cinema seguidas de debates com pesquisadores, cineastas e ativistas. Neste mês, por ocasião do cinquentenário do Maio de 68, os filmes e discussões privilegiam este icônico acontecimento. Associadamente, ocorrem reuniões do grupo de leitura objetivando municiar a recepção dos filmes da mostra com discussões teóricas, pensando também associações com acontecimentos e fenômenos da atualidade – a próxima sessão de leitura, que acontece no dia 29 de maio (terça-feira), reflete sobre cinema e antropologia e suas interfaces entre o ficcional e o documental. O encontro será facilitado pelo pesquisadores André Dib e Juliana Crelier.

O Projeto de Extensão “Estética, poder e relações interculturais no cinema francófono” é realizado pelo Grupo de Estudos em Estética, Técnica e Sociedade (DCS/UFPB) e o Departamento de Mediações Interculturais da UFPB, em parceria com a Assessoria para Assuntos Internacionais, Idioma sem Fronteiras, Associação Brasileira dos Críticos de Cinema, Cinemateca da França/Embaixada da França / InstitutFrançais e Alliance Française.

Ainda seguem abertas as inscrições das duas atividades do projeto tanto para membros internos quanto externos à UFPB e podem ser feitas pelo endereço(https://sigaa.ufpb.br/sigaa/public/extensao/paginaListaPeriodosInscricoesAtividadesPublico.jsf). O link também dá acesso a informações sobre as programações das duas atividades.

Serviço

Cinema francófono: estética, poder e relações interculturais

Quando:28 e 29 de maio, às 16h.

Onde:Cine Aruanda (UFPB)

Informações:gets.dcsufpb@gmail.com

Entrada franca

 

PROGRAMAÇÃO DE MAIO

SEGUNDA, 28 DE MAIO, 16H

Título: Black Panthers / Os Panteras Negras
França, 1968, 28′, cor, 35mm

Direção:AgnèsVarda

Sinopse:Em homenagem aos 90 anos da  pioneira da Nouvelle Vague, AgnèsVarda. No verão de 1968, os Panteras Negras de Oakland (Califórnia) organizaram vários debates de conscientização em torno do processo de um de seus líderes, Huey Newton. Eles queriam – e conseguiram – chamar a atenção dos americanos e mobilizar as consciências durante esse processo político. Neste sentido, deve-se realmente datar este documento: 1968.

 

Título: Moi, unnoir / Eu, um negro
França, 1958, 80′, cor, 35mm
Direção: JeanRouch

Sinopse: Uma semana da vida de jovens nigerianos que chegam à capital da Costa do Marfim em busca de trabalho. O herói, que conta sua própria história, se auto-denomina Edward G. Robinson, em honra ao ator americano. Da mesma forma, seus amigos escolhem pseudônimos para simbolizar uma personalidade ideal. Eles realizam trabalhos servis como estivadores, carregando sacos e suprimentos úteis para a Europa. À noite, bebem suas mágoas em bares enquanto sonham com vidas idealizadas. Cada dia é introduzido por uma narração de Jean Rouch, considerado o pai da etnoficção.

Debatedores: Carine Fiúza (Cineasta, ativista e graduanda em Cinema/UFPB), Elio Chaves Flores (NEABI e PPGH/UFPB) e Heitor Augusto (crítico, curador, pesquisador e professor – SP); Mediadora: Gabriela Lucena (Ciências Sociais/UFPB)