PROJETO CINEMA FRANCÓFONO APRESENTA “PICKPOCKET”, DE ROBERT BRESSON

Gratuita e aberta ao público em geral, a sessão será realizada no Cine Aruanda (UFPB), seguida de debate com Eduardo Valente (RJ) e Odécio Antonío (PB).

Em sua oitava sessão, o projeto de extensão “Cinema francófono: estética, poder e relações interculturais” apresenta o filme “Pickpocket – O batedor de carteiras” (França, 1959), dirigido pelo cineasta Robert Bresson. A exibição será na próxima quinta, 18 de outubro, às 16h, no Cine Aruanda (CCTA/UFPB), seguida de debate com Eduardo Valente (diretor artístico do Festival de Brasília e delegado para o Brasil do Festival de Berlim) e Odécio Antonío (cineasta, cientista social e mestrando do Programa de Pós-Graduação em Comunicação/UFPB), com mediação de Marcelo Burgos (vice-coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciência Política e Relações Internacionais/UFPB).

Nesta fascinante declaração de amor ao cinema clássico, Bresson conta a história de um rapaz que, forçado a desistir dos estudos, aproveita a oportunidade para realizar-se na arte de bater carteiras. Enquanto ele despista agentes da lei e aprende os truques para se tornar um ladrão incomparável, o diretor nos conduz por cenas que, no conjunto, formam um dos mais belos filmes de todos os tempos.

Sobre os debatedores:

Eduardo Valente é cineasta, crítico e curador. Realizou três curtas e um longa metragem entre 2002 e 2009. Foi editor das revistas Contracampo (1998-2005) e Cinética (2006-2011) e assessor internacional da ANCINE – Agência Nacional do Cinema (2011-2016). Atualmente é diretor artístico do Festival de Cinema de Brasília e delegado para o Brasil do Festival de Berlim, além de membro da equipe de programação do Olhar de Cinema – Festival de Cinema de Curitiba.

Odécio Antonío é palhaço, ator, diretor, cientista social, professor e mestrando de Comunicação em culturas midiáticas audiovisuais na UFPB. É ator de doze curtas, um telefilme, dois longa-metragem e duas séries. Foi ator contratado da TV APERIPÊ (SE) nos anos de 2007 a 2009. É coordenador do projeto Circulandô (Centro Estadual de Arte da Paraíba – Cearte). Dirigiu os curta-metragens “Contínuo”, “Cena” e “Não Tema”. Morou nas cidades de São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Aracaju. Há nove anos reside em João Pessoa e há sete integra o grupo de teatro OSFODIDÁRIO.

Iniciado em maio, o projeto “Cinema francófono: estética, poder e relações interculturais” é realizado pelo Grupo de Estudos em Estética, Técnica e Sociedade (DCS/UFPB) e o Departamento de Mediações Interculturais da UFPB, em parceria com a Assessoria para Assuntos Internacionais, Idioma sem Fronteiras, Associação Brasileira dos Críticos de Cinema, Cinemateca da França/Embaixada da França / InstitutFrançais e Alliance Française. O foco do projeto reafirma a disposição de partir do cinema como veículo problematizador de discussões, contando para isso com a atenção de especialistas de diversos campos, entre cineastas, professores, pesquisadores e críticos de cinema. O mesmo se direciona a professores de Sociologia e Filosofia do ensino médio da rede pública estadual, além de estudantes de graduação e pós-graduação dos cursos de humanidades e artes da UFPB. O acesso aos eventos é gratuito.

Inscrição: Informamos aos interessados, que ainda estão abertas as inscrições das duas atividades do projeto, tanto para membros internos quanto externos à UFPB, que garantem certificação e podem ser feitas pelo SIGAA a partir do seguinte endereço:

https://sigaa.ufpb.br/sigaa/public/extensao/paginaListaPeriodosInscricoesAtividadesPublico.jsf

O link também dá acesso a informações sobre as programações das duas atividades.

AGENDA

Ciclo de filmes e debates “Cinema francófono: estética, poder e relações interculturais no cinema francófono”

Data: 18 de outubro | Local: Cine Aruanda (CCTA) | Hora: 16h

Filme: “Pickpocket – O batedor de carteiras”, de Robert Bresson, França, 1959, pb, 35mm, 76 minutos.

Sinopse: Nesta fascinante declaração de amor ao cinema clássico, Robert Bresson conta a história de um rapaz que, forçado a desistir dos estudos, aproveita a oportunidade para realizar-se na arte de bater carteiras. Enquanto ele despista agentes da lei e aprende os truques para se tornar um ladrão incomparável, o diretor nos conduz por um dos mais belos filmes de todos os tempos.

Debatedores: Eduardo Valente (RJ) e Odécio Antonío (PB)

Mediador: Marcelo Burgos (vice-coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciência Política e Relações Internacionais/UFPB)

Mais informações:

gets.dcsufpb@gmail.com
(83) 99609-3282