Projetos de Pesquisa


Trabalhadores em tecnologias de informação, sindicalismo e ação coletiva: o que há de novo no horizonte?

Prof. Roberto Véras
Com a revolução informacional nas últimas décadas do Século XX emergiram novas categorias profissionais na indústria, comércio e serviços, tanto no segmento de hardware quanto de software. São técnicos, programadores de software, designers, consultores, prestadores de serviços de manutenção de redes, analistas de sistemas, digitadores e um conjunto complexo de outras atividades vinculadas ao setor de Tecnologia da Informação (TI). Trata-se de categorias que se cresceram em um contexto de regime de acumulação flexível, com relações de trabalho ?atípicas?, flexíveis, pouco reguladas e marcadas pelo avanço do individualismo e competividade. As distintas configurações que o trabalho assumiu nesse setor suscitaram pesquisas e reflexões sociológicas sobre as condições de sua realização, tipos de vínculos de trabalho, processos de qualificação e identidade entre outros. Uma dimensão ainda pouco investigada no Brasil refere-se à questão da ação coletiva dos chamados “trabalhadores informacionais”, “trabalhadores digitais”, “informatas”. Em se tratando de trabalhadores que se encontram cada vez mais pulverizados, diversos e heterogêneos, como se dá a aglutinação de interesses que favorece a ação coletiva? Como e por quais meios acontece a organização coletiva desses trabalhadores? Como se configura a representação sindical e quais são as particularidades de seus sindicatos? Quais são as principais reivindicações expressas nas ações de seus sindicatos? Estas são algumas das indagações que a presente proposta de pesquisa objetiva investigar. Buscaremos analisar a ação sindical e a dinâmica de sindicatos de trabalhadores em informática e tecnologias da informação em diversos estados brasileiros visando captar particularidades desse sindicalismo e identificar possíveis padrões. A pesquisa permitirá não apenas conhecer um sindicalismo recente, jovem, mas também refletir sobre um setor que é cada vez mais central na sociedade e na economia atual. Uma de nossas hipóteses é que os sindicatos de TI se organizaram de modo a expressar a heterogeneidade, diversidade e grande complexidade desse segmento, rompendo com a tradicional e histórica organização corporativista sindical. Representam um pool de categorias e tipos de empresas tão diverso quanto o próprio setor. Ao mesmo tempo, porém, esses sindicatos que representam as categorias da chamada “nova economia”, apresentam similitudes com outros setores tradicionais da economia. Para responder e analisar as questões acima colocadas, a presente pesquisa contará com uma metodologia qualitativa, estudo de bibliografia pertinente, além de entrevistas semiestruturadas com sindicalistas e assessores sindicais. Uma das etapas de investigação consistirá em levantamento da história dos sindicatos visando captar como o sindicato incorporou as categorias de trabalhadores, suas dinâmicas e ações. Na etapa seguinte serão selecionadas Convenções Coletivas e Acordos (período de dez 10 anos), que serão categorizadas e analisadas para cada uma organizações sindicais selecionadas para esta pesquisa.
Período: abr/16 a abr/19
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. 
Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Doutorado: (1) . 
Integrantes: Roberto Véras de Oliveira – Integrante / José Ricardo Ramalho – Integrante / Maria Aparecida da Cruz Bridi – Coordenador / Maurício Rombaldi – Integrante.
Financiamento: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – Auxílio financeiro.Número de orientações: 1