Projeto de Pesquisa


Revolução passiva e dependência no Brasil

Profa. Luciana Aliaga

Este projeto é fruto de uma pesquisa prévia que se dedicou ao estudo da bibliografia produzida sobre a recepção e tradução do conceito de revolução passiva para o Brasil, entre os anos 1960 até a atualidade. Pretendemos, diante disto, desenvolver as análises no campo gramsciano a partir do estudo da formação do Estado no Brasil, levando em conta as condições estruturais internas, das quais o passado colonial e escravista é de fundamental importância, articulada a dependência externa, que impõe e mantém um padrão subalterno de desenvolvimento capitalista, aliado a relações sociais balizadas pelo mandonismo, autoritarismo e pela cultura do favor, conformando uma cultura política de traços autenticamente autoritários.

Neste sentido nossa proposta concentra-se no estudo da formação do Estado brasileiro a partir de dois fundamentos conceituais principais: o conceito de revolução passiva de A. Gramsci e a noção de dependência, especialmente (não exclusivamente) do modo como foi tratada por Florestan Fernandes e seus intérpretes contemporâneos. A escolha de Fernandes se justifica na medida em que suas análises fornecem um sólido fundamento, ainda atual, para o tratamento das especificidades do desenvolvimento capitalista na América Latina e no Brasil (Cf. LIMOEIRO-CARDOSO, 1995). Além disto, Fernandes apresenta uma notável similaridade com as análises gramscianas na medida em que considera o Estado na periferia a partir das relações sociais de forças e do movimento histórico nacional articulado ao contexto internacional, temáticas reunidas no interior da problemática da dependência. Desta forma, em nosso modo de ver, as reflexões de Fernandes podem ser consideradas uma relevante tradução para o Brasil das análises feitas por Gramsci sobre a Itália. A aproximação destes dois autores nos fornecerá, portanto, os subsídios conceituais necessários para uma complexa consideração do Estado brasileiro desde a sua formação, fundamental para uma análise do presente.