Disciplinas

EMENTÁRIO DOS COMPONENTES CURRICULARES INTEGRANTES DA ESTRUTURA ACADÊMICA DO PROGRAMA

A – DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS COMUNS ÀS QUATRO LINHAS DE PESQUISA

1. Teoria Antropológica I
Vertentes do pensamento antropológico da metade do século XIX à metade do século XX: evolucionismo social; antropologia cultural norte-americana; escola sociológica francesa; antropologia social britânica; estruturalismo Lévi-Straussiano.

2. Teoria Antropológica II
Debates e indagações que animam a antropologia desde a década de 1970 até os dias de hoje. Desdobramentos da disciplina após o estruturalismo. Tendências hermenêuticas e interpretativas. Relacao entre história e antropologia. Prática e agency. A importância da etnografia como produção de conhecimento. Enfoques processualistas. Modernidade e pós-modernidade. Estudos sobre globalização. Antropologias periféricas. Outros temas contemporâneos.

3. Métodos de pesquisa em antropologia
Construção do objeto. Relação entre sociedade do observador e do observado. Ética na pesquisa antropológica. Implicações do método para a teoria antropológica. Etnografia: estilo e prática metodológica. Trabalho de campo, a observação participante, a descrição etnográfica. Outros métodos:
pesquisa antropológica sem observação participante. Elaboração e discussão dos projetos de pesquisa.

B – DISCIPLINAS OPTATIVAS

B.1 – DISCIPLINAS OPTATIVAS DA LINHA DE PESQUISA: IMAGEM, ARTE E PERFORMANCE

1. Antropologia Visual
Constituição da antropologia visual como campo de pesquisa e reflexão. Atos cognitivos de ouvir e de olhar no trabalho antropológico. Texto visual e texto verbal. Imagem, representação e sentido. Iconografia e semiótica. Arte e antropologia. Relação entre visualidade, conhecimento e memória. Imagem e emoção. Imagem, imaginário e imaginação. Estruturas sociais e criação de imagens. Perspectivas teóricas em antropologia visual. Questões metodológicas sobre o uso das imagens nas ciências sociais. Desdobramentos contemporâneos da antropologia no universo midiático. Ética de abordagem e de uso de imagens.

2. Fotografia, Cinema e Antropologia
Desenvolvimentos paralelos da fotografia, do cinema e da antropologia desde o século XIX. Fotografia e antropometria. Utilizações da câmera em expedições e pesquisas antropológicas paradigmáticas. Noções de filme etnográfico, cinema antropológico e antropologia fílmica. Formas e possibilidades de construção de narrativas antropológicas por meio da linguagem audiovisual (filme etnográfico e documentário). Uso das imagens nas obras de Bronislaw Malinowski, Gregory Bateson, Margaret Mead, Jean Rouch e David MacDougall. Fronteiras entre imagem, realidade e ficção (mimeses). Antropologia do cinema.

3. Arte, Ritos Sociais e Patrimônio Imaterial
Diversas perspectivas clássicas e contemporâneas utilizadas na análise e interpretação dos materiais artísticos, com ênfase na produção antropológica. Reflexão sobre a vitalidade de diferentes enfoques diante das expressões artísticas. Arte e agência. Fronteiras entre a arte e a expressão da
cultura: ritos sociais, festas e performances populares e tradicionais. Noções de drama e performance. Definição de patrimônio imaterial e desdobramentos da política de patrimônio imaterial para a pesquisa antropológica.

4. Práticas de Consumo e Novas Mídias
Conceito de consumo e sua relação com o conceito de cultura. Consumo e pós-modernidade. A questão simbólica do consumo. Histórico do fenômeno do consumo. Consumo e indústria cultural. O efêmero e a produção da felicidade. Novas tecnologias de comunicação, ciberespaço, redes e espaço virtual. Construções imaginárias nas práticas consumistas. Narrativas do consumo em formas imagéticas. Fragmentação, fluidez e desterritorialização na sociedade de consumo contemporânea. Práticas de consumo e globalização.

B.2 – DISCIPLINAS OPTATIVAS DA LINHA DE PESQUISA: CORPO, SAÚDE, GÊNERO E GERAÇÃO

1. Gênero, Sexualidade e Diferença
A construção da categoria gênero e seus desdobramentos no campo da antropologia. Formas de poder e movimentos sociais minoritários (mulheres, feministas e LGBTT). Marcadores sociais da diferença: sexualidade, corpo, raça e classe. Estudos sobre as relações de gênero na Melanésia e outros contextos não ocidentais. A sexualidade na Antropologia e nas ciências humanas. Abordagens clássicas: sexualidade como pulsão, discurso, construção e desconstrução. Estudos queer. Novos olhares: transformações e mutilações genitais, intersexos, universo trans, erotismo.

2. Antropologia da Criança
Analisar e discutir a problemática das crianças como sujeitos imersos na vida social, como agentes da sua própria história e, ao mesmo tempo, como constrangidos pelo mundo adulto. Analisar e discutir de que maneiras as crianças podem ser interlocutores privilegiados para o entendimento dos
diversos aspectos da vida social e cultural. Refletir sobre a dinâmica de reprodução social da família nos contextos internacional e brasileiro, a partir do ponto de vista das crianças.

3. Curso da Vida e Juventude
O estudo das idades em antropologia: grupos de idade, geração, ciclos domésticos e rituais de passagem. O curso da vida: abordagem histórica. A construção social da categoria juventude. Juventude e marcadores sociais: gênero, raça/etnia, sexualidade. Movimentos juvenis e políticas públicas: os jovens como sujeitos políticos. Violência, criminalidade e risco. Educação, trabalho e consumo. Tempo livre, modos de vida e sociabilidade. Trajetórias, transições e temporalidades.

4. Antropologia do Corpo e da Saúde
Abordagens socioantropológicas do corpo, saúde e doença. Paradigma da corporalidade, embodiment, fluidos corporais, corpo e gênero, representações sobre saúde e doença, sexualidade, saúde reprodutiva, pessoa e morte. Práticas de cura e modelos terapêuticos.

B.3 – DISCIPLINAS OPTATIVAS DA LINHA DE PESQUISA: TERRITÓRIO, IDENTIDADE E MEIO AMBIENTE

1. Dinâmica Territorial, Memória e Processos Identitários
Implicações teóricas e políticas das categorias território e territorialidade; processos de territorialização de grupos sociais e étnicos; comunidade local e modos de vida: minorias sociais, étnicas e “populações tradicionais”; estudos da vida doméstica e de comunidades locais; gestão e sustentabilidade ambiental de territórios e comunidades locais; memória e processos do lembrar; narrativas e tradição; história e oralidades; construções identitárias; relações interétnicas; novas identidades.

2. Cultura e Meio Ambiente
Natureza e cultura; humanidade e materialidade; formas de se conceituar e apropriar o mundo material; antropologia ecológica x antropologia ambiental; etnoecologia e etnociência; políticas ambientais e conflitos socioambientais; sustentabilidade social, econômica, ambiental e conservação da diversidade cultural; ecologia doméstica; estudo de fenômenos sócio-técnicos; propriedades das técnicas: uso, produção e aquisição; atividades tecno-econômicas; cadeias operacionais.

3. Tradições de Conhecimento e Religiosidades
A cultura como fluxo de idéias, conceitos, valores, princípios, imagens, objetos, etc.; geração de formas culturais como efeito da interação social; tradições de conhecimento como organização social de formas culturais específicas; o conhecimento como sedimentação da experiência; aspectos cognoscitivos, cognitivos e psicológicos no ato de conhecer e agir (agency); processos rituais e simbólicos na formação de visões cosmológicas; discussão conceitual de religião e religiosidade; religiões e expressões étnicas e sincréticas; territórios e espaços das práticas religiosas e produções simbólicas.

4. Antropologia e laudos
Argumentação antropológica e argumentação jurídica. Legislação brasileira e internacional sobre povos indígenas, quilombolas e outras minorias. Diferença entre processos administrativos e jurídicos de definição de territórios. Identificação e delimitação de territórios. Estudos sobre etnicidade e relações interétnicas. Perícia em processos criminais. Estudo e Relatório de Impacto Ambiental. Legislação brasileira sobre patrimônio cultural. Definição de patrimônio imaterial. Contextos e condições de pesquisa. Metodologia e técnicas de pesquisa. Implicações éticas. Laudo como gênero de produção antropológica.

B.4 – DISCIPLINAS OPTATIVAS DA LINHA DE PESQUISA: ETNOGRAFIAS E SOCIABILIDADES URBANAS

1. Antropologia Urbana e Cotidiano
O curso tem como objetivo focar as abordagens antropológicas que contribuem ao entendimento e discussão sobre as cidades modernas e contemporâneas, as alternativas de apropriação e os modos de ser e de viver dos grupos e coletivos juvenis que nelas habitam. Serão analisadas abordagens clássicas e contemporâneas que discutem, por um lado, a relação indivíduo e sociedade e grupos urbanos juvenis, a identificação de antigos e novos fenômenos e processos de sociabilidade característicos das cidades e, por outro, de espaços e novas formas de segregação de diferentes grupos sociais, constituindo conflitos de diversas ordens.

2. Marcadores sociais da diferença e lutas por reconhecimento
O curso pretende apresentar e discutir as diversas formas e possibilidades de busca e luta por reconhecimento, seja pessoal, social e institucional. Novos processos identitários e marcadores sociais da diferença, principalmente aos movimentos sociais relacionados a relações étnico-raciais, geração e classe. Práticas cotidianas e dinâmicas sociais de resistência, reconhecimento e ação coletiva. A disciplina almeja analisar a partir das diferentes abordagens das teorias do reconhecimento.

3. Intervenções e sociabilidades no contexto urbano
Pretende-se discutir a relação entre arte, cidade e espaço urbano. Arte de rua e técnica; projetos urbanísticos e intervenções da arte no espaço público; Arte pública, arte legal/ilegal e cidade. Memória coletiva e o impacto das políticas de gentrification nos bairros da cidade; patrimonialização versus intervenção e inovação; tempo e cidade. Festas e sociabilidades urbanas no espaço da cidade; skate, grafite, hip hop e funk como manifestações artísticas no espaço urbano.

4. Subversão e violência urbana
O curso pretende apresentar e discutir as diversas práticas subversivas e desviantes no contexto urbano. Transgressão, criminalidade e violência se apresentam como temas centrais e distintos. Novas configurações da violência, o trauma cultural do medo instalado nas grandes cidades, bem como, as estratégias sociais, políticas e midiáticas para lidar com a questão da segurança pública, entrecortada por questões étnico-raciais, mas também de gênero, geração e classe.

B.5 – DISCIPLINAS OPTATIVAS DA LINHA DE PESQUISA: POLÍTICAS SOCIAIS E DESENVOLVIMENTO

1. Antropologia Política

Conceptualização do campo do político; formas de organização política; status e prestígio; parentesco e política; ritual, religião e poder; interdependência e poder; o Estado-nação como moldura histórica das relações sociopolíticas; formas e instrumentos do exercício do poder: poder e dominação; poder e transação; conflito, mediação e mudança; processos coloniais, tutela e resistência; território, processos econômicos e organização política.

2. Antropologia Econômica

A Escola Formalista (universalidade do Homos Economicus). Escola Substantivista (subordinação do mercado à sociedade). A Escola Marxista. A Escola Culturalista. Sistema econômico nas sociedades primitivas: a teoria da reciprocidade e a economia da dádiva; economia e religião em sociedades “complexas”; economia e simbolismo nas sociedades contemporâneas: fetichismo da mercadoria; dádiva e mercadoria – a determinação cultural do valor; o capitalismo como cultura e o mercado como sistema classificatório; a teoria da dádiva e a economia solidária; intercâmbio, reciprocidade e redistribuição (via políticas públicas e sociais).

3. Dádiva, Economia e Políticas Sociais

A disciplina contempla as interfaces entre dádiva, reciprocidade e economia; solidariedade e Estado; dádiva e políticas sociais; políticas sociais concernentes ao universo das microfinanças com foco na reciprocidade e na economia solidária, e, as respectivas (re)significações nas relações de gênero e nas identidades ditas tradicionais de comunidades camponesas, de pescadores, de quilombolas, dentre outras, e, por fim, as profundas ligações entre simbolismo e geração de renda na sociedade contemporânea.

4. Movimentos Sociais e Relações de Poder

O curso pretende oferecer instrumentos para a compreensão dos processos históricos que levaram ao desenvolvimento de movimentos sociais, a partir da observação das relações de poder envolvidas. A disciplina será orientada a discutir das principais correntes teóricas presentes nos estudos sobre movimentos sociais e de como tais abordagens foram apropriadas e ressemantizadas nos estudos sobre mobilizações sociais no Brasil. Posteriormente passaremos a discussões sobre estudos etnológicos que explicitam essas mobilizações, destacando e de que forma os grupos pesquisados vêm desenvolvendo estratégias de diálogo com o Estado e sociedade civil.

B.6 – DISCIPLINAS OPTATIVAS COMUNS ÀS QUATRO LINHAS DE PESQUISA

1. Tópicos Especiais
Estudos específicos com ementas, bibliografias, 1 a 4 créditos teóricos, de acordo com as temáticas a serem abordadas.

 

C – ATIVIDADES ACADÊMICAS OPTATIVAS COMUNS ÀS QUATRO LINHAS DE PESQUISA

1. Estágio Docência Atividade acadêmica a ser desenvolvida pelo discente nos termos do artigo 64 do Regulamento Geral, do artigo 40 do Regulamento do PPGA e da Resolução 26/1999 do Consepe.

2. Estudos Especiais Atividades ou estudos de caráter especial previstos no artigo 63 do Regulamento Geral e no artigo 38 do Regulamento do PPGA.