Jan Edson Rodrigues Leite

 

Lattes: http://lattes.cnpq.br/6349030710525621

E-mail: jan.edson.leite@gmail.com

SITE: http://www.cchla.ufpb.br/lacon/

Grupos de Pesquisa:

http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1498479132472920

PROJETOS:

  1. COMPREENSÃO DOS DOMÍNIOS IMAGÉTICOS EM SENTENÇAS GRAMATICAIS POR PESSOAS COM ALZHEIMER

O projeto de pesquisa científico aplicado às ciências humanas aqui apresentado com o tema: Estudos sobre a compreensão dos domínios imagéticos em sentenças gramaticais por pessoas com Alzheimer, objetiva investigar o processamento da linguagem por pessoas com Alzheimer com uso de inputs visuais (texto, imagem) e auditivo e as estratégias cognitivas adotadas por estes para compreensão de sentenças gramaticais no nível de especificidade, proeminência e perspectiva. Além do declínio de memória, a linguagem também tem seu desempenho afetado nas primeiras fases da Demência de Alzheimer (DA). Uma das tarefas de linguagem que se encontra prejudicada logo neste período é a compreensão de leitura textual. Ela exige várias habilidades lingüísticas, como decodificação da linguagem impressa, compreensão das palavras informadas(RINALDI, 2008). Tem sido verificado em pesquisas sobre Alzheimer, a hipótese de que a compreensão de leitura é afetada precocemente e mais seriamente que a compreensão auditiva, seja por problemas na memória operacional, déficits visuais, como atencionais, bem como por déficits de acesso lexical e deterioração de representações semânticas (MANSUR E COLS, 2005). Justifica-se a necessidade de realizar esta pesquisa com experimentos on-line, para a verificação dos aspectos cognitivos envolvidos na compreensão da imagética convencional em sentenças gramaticais por pessoas com Alzheimer com utilização de input visual (texto, imagem) e auditivo considerando déficits de memória, linguagem e cognição presentes na fase inicial e intermediária da doença. Não se conhecem pesquisas específicas que investiguem a compreensão da imagética convencional no nível de especificidade, proeminência e perspectiva em sentenças gramaticais por pessoa com Alzheimer. As evidências fornecidas neste trabalho, desse modo, podem constituir um avanço tanto no diagnóstico precoce a partir de testes/ experimentos on-line, bem como para elaboração de estratégias de comunicação mais efetivas entre pessoas com Alzheimer e seus familiares/cuidadores.

  2. COMPREENSÃO LINGUÍSTICO-SEMÂNTICA E DÉFICITS DE MEMÓRIA: COMO A DOENÇA DE ALZHEIMER AFETA A LINGUAGEM

A questão central sobre a qual este projeto reflete é: como e em que medida os déficits cognitivos em portadores de Alzheimer sinalizam, nas práticas comunicativas em que esses sujeitos se engajam, mudanças no processamento semântico-conceitual observáveis através de sua produção linguística em tarefas que envolvem a conceptualização, a categorização, o raciocínio e a interação linguístico-discursiva? Para encontrar possíveis respostas a essa pergunta, o projeto de pesquisa científica aqui apresentado objetiva primariamente fazer uma descrição e análise das práticas de linguagem em Portadores de Alzheimer que evidenciam a ação dos déficits cognitivos sobre o processamento semântico-conceptual, em interações linguísticas espontâneas, entrevistas controladas e tarefas experimentais. Algumas das proposições dessa pesquisa vão além desses modelos dicotômicos e consideram a hipótese investigativa de que os déficits cognitivos ? especialmente de memória ? verificados nas práticas de linguagem em portadores de Alzheimer resultam em mudanças no processamento semântico-conceptual das informações mobilizadas para a organização das categorias cognitivas, do pensamento e do discurso cotidiano. De maneira mais específica, dessa hipótese se deduz que a categorização linguística e a conceptualização semântica operada pelos falantes portadores de Alzheimer estão sob direta influência dos déficits cognitivos que estes apresentam ? em especial de memória? o que os leva a organizar seu discurso e pensamento de maneira distinta de falantes sem patologias, de acordo com o nível de degeneração provocado pela doença, medido a partir de instrumentos de avaliação funcional de doenças crônicas de memória.