Giorvan Anderson dos Santos Alves

 

Lattes: http://lattes.cnpq.br/7537631933352720

E-mail: anderson_ufpb@yahoo.com.br

 Grupos de Pesquisa:

1) dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/7011093120961110

2) dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/9439383305239674

3) dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/7326244462112923

 

PROJETO: ANÁLISES DOS ASPECTOS DE FALA EM SUJEITOS COM DESENVOLVIMENTOS TÍPICOS E ATÍPICOS

Os aspectos da fala são estudados, desde que a mesma existe, sob diferentes olhares, por diversas ciências, iniciada nos estudos da linguística, especificamente na fonética e a fonologia. Nos dias atuais profissionais de muitas áreas buscam compreender a fala de acordo com seus conhecimentos, teorias e necessidades. A chamada “fala normal” é estudada desde a sua produção, partindo da análise das estruturas que são necessárias para sua produção, até como os sons se combinam para produzir milhares de línguas faladas por distintas comunidades do mundo todo. Diante de tudo isso, poderíamos dizer que estudar a fala considerada normal, já é um grande desafio para qualquer indivíduo de qualquer profissão, imagine-se então, estudar a fala quando ela está alterada. Infelizmente nem sempre a produção da fala ocorre no tempo esperado, e às vezes, ao ser adquirida, apresenta falhas na sua produção, tais como omissões, substituições, distorções e ou imprecisões. Essas falhas podem ocorrer por diferentes causas: alterações anatômicas, principalmente das estruturas da face e da cavidade oral; alterações neuromotoras, que causam as disartrias e dispraxias; alterações na aquisição da linguagem; alterações da audição; alterações cognitivas e/ou psicológicas, dentre outras. Não podemos deixar de lembrar, como já mencionado, que a fala é apenas um dos meios que o ser humano utiliza para transmitir ideias, pensamentos ou sentimentos. A transmissão do que se quer dizer, utilizando a fala quando ela apresenta alguma alteração, ficará mais ou menos prejudicada, dependendo da causa que está levando ao problema, e de quanto essa causa prejudicou a produção da fala. Se existe uma alteração de base, na linguagem ou na cognição, as mensagens podem ficar sem sentido, embora a produção da fala em si possa estar adequada. Por outro lado, se o problema é de ordem neurológica, mesmo que a ideia esteja preservada, a produção da fala ficará mais ou menos alterada, dificultando a compreensão do que o falante quer dizer. Isso significa que a fala, e tudo que lhe é subjacente, deve ser estudado minuciosamente em todos os seus aspectos, já que se entende que, ao compreendermos como a fala é produzida em sua normalidade, e o que pode alterá-la, será mais fácil pensar nos caminhos que deverão ser trilhados para que a comunicação se estabeleça da melhor maneira possível.