Lucienne C. Espíndola

Lattes: http://lattes.cnpq.br/4254662267399104

E-mail: lucienne_@hotmail.com

Site: https://sites.google.com/site/lasprat/

Grupos de Pesquisa:

http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/8847090490116014

Vice-coordenadora do GT ANPOLL: Linguística e Cognição.

PROJETOS:

1) LASPRAT – Laboratório Semântico-Pragmático de Textos

O Laboratório Semântico-Pragmático de Textos (LASPRAT) – criado e aprovado no Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas (DLCV) da UFPB em 27/11/2000 – abriga projetos que tenham como objeto de investigação o funcionamento semântico-discursivo e argumentativo de gêneros textuais/discursivos. O alicerce teórico para as investigações desenvolvidas no laboratório é constituído de teorias semântico-pragmático-discursivas: Máximas Conversacionais, Dêixis, Atos de Fala, Argumentação na Língua, Polifonia, Modalização, entre outras. O LASPRAT também abriga um projeto em que a primeira parte da pesquisa está alicerçada na Teoria da Metáfora Conceptual, sendo a investigação discursiva feita após essa etapa.

2) MGDA – Metáforas/ Metonímias, Gêneros Discursivos e Argumentação

O projeto Metáforas /Metonímias, Gêneros Discursivos e Argumentação (MGDA) abriga duas linhas de investigação: a primeira descreve que metáforas/ metonímias conceptuais, de um modo geral, são utilizadas em diferentes gêneros discursivos/textuais, que efeitos e, consequentemente, funções semântico-discursivas as expressões linguísticas atualizadoras de metáforas/metonímias imprimem nos respectivos gêneros. Essa linha congrega as pesquisas que pretendam descrever a presença de metáforas e metonímias em gêneros discursivos, objetivando constatar a hipótese de que a presença de metáforas e metonímias é, em grande parte, “influenciada” pelo gênero discursivo/textual. A segunda linha de investigação objetiva pesquisar metáforas e metonímias conceptuais a partir de temas/assuntos, considerando diferentes pontos de vista (econômico, jurídico, profissional, político, religioso etc.); nessa linha o ponto de partida será o tema/assunto. As pesquisas da primeira linha, com alguns resultados já divulgados, têm nos revelado que, há situações, que a recorrente presença de metáforas / metonímias não é “determinada” somente pelo gênero discursivo/textual, mas que há uma grande influência do tema/ assunto.