Você está aqui: Página Inicial > Contents > Notícias > Artigo sobre BRICS e setor energético é publicado por docente e discente do PPGCPRI
conteúdo

Notícias

Artigo sobre BRICS e setor energético é publicado por docente e discente do PPGCPRI

publicado: 27/03/2020 21h18, última modificação: 27/03/2020 21h17

O docente do PPGCPRI Henri Iure Paiva, juntamente com o discente Lucas Feitosa e o Prof. Renan Holanda (DRI/UFPB), publicaram o artigo "O lugar das fontes renováveis no relacionamento do Brasil com os "RICS" na área de energia: uma análise da agenda bilateral e das declarações de cúpula (1990-2018)". A pesquisa foi publicada na revista Conjuntura Austral, atualmente classificada como A2 no Qualis CAPES. A edição congrega análises sobre a primeira década do bloco BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e América do Sul). Para acessar a edição completa, clique aqui

Resumo do artigo: Este artigo discute a realidade energética no âmbito dos BRICS, com especial atenção às energias renováveis. Sob tal perspectiva, o Brasil emerge com papel destacado na coalizão, sendo considerado um dos países mais descarbonizados do mundo, pioneiro em bioenergia e um dos líderes globais em geração eólica e hidrelétrica. Por outro lado, o carvão ocupa um espaço considerável na matriz energética da África do Sul, China e Índia. Ademais, o bloco ainda conta com o maior produtor de petróleo cru do mundo: a Rússia. Levando em consideração as potencialidades e os desafios de cada país no tocante ao assunto, esta pesquisa se estrutura em torno de dois eixos principais: avaliar como as fontes renováveis permeiam os acordos bilaterais firmados pelo Brasil na área de energia com os “RICS”; e entender como o debate está caracterizado nas declarações conjuntas das cúpulas do bloco. A metodologia utilizada envolveu a construção de um banco de dados original, bem como a aplicação de técnicas de estatística descritiva e análise de conteúdo. Os resultados apontam que China e Rússia dominam, de longe, a pauta energética bilateral do Brasil com os RICS e que o governo Lula foi, desde a redemocratização, o mais ativo em termos de quantidades de atos internacionais referentes à energia firmados com esses parceiros. Os achados também indicam alguns pontos de intersecção entre as pautas bilaterais e as posições conjuntas adotadas nas declarações de cúpula, a despeito de não ter havido um aumento dos acordos sobre energia após o estabelecimento dos BRICS.